Chamada para o lançamento em SP dia 12/05/2015

LANÇAMENTO DO NOVO LIVRO
– FICÇÃO/ROMANCE –
DO SERGIO VILAS-BOAS
PELA AMARILYS EDITORA

Uma história inusitada sobre amizade e pertencimento

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

A Superfície Sobre Nós

12 de maio de 2015 (terça-feira) das 19h às 22h.
Livraria Cultura do Conjunto Nacional (av. Paulista, 2073).
Loja de Artes (entrada em frente ao Cine Livraria Cultura).
Mezzanino.

https://www.facebook.com/events/1625898684295085/

1 Capa (3d)

RESUMO (INCLUÍDO NA ORELHA DO LIVRO)

A visão de mundo de Hugo começa a ser alterada no momento em que ele conhece Jaime, um colega mais velho que atravessa com aparente firmeza uma confluência de crises. O que a princípio seria apenas uma colisão casual de experiências díspares revela-se um inusitado intercâmbio de duas gerações marcadas por revoluções bem distintas.

Escolhas antes vistas como fascinantes – investir tudo o que se tem num projeto pessoal, como fez o antropólogo Jaime, baby boomer – soam ambíguas para o narrador Hugo, membro declarado da Geração Y. Enquanto Jaime busca um lugar para chamar de seu, Hugo se apega ao conforto e à facilidade. Enquanto Jaime enfrenta seus segredos, Hugo se entrega à internet.

Com uma escrita matizada e límpida, repleta de lacunas propositais, Sergio Vilas-Boas convida o leitor a refletir sobre a (in)satisfação humana – afinal, A superfície sobre nós refere-se sobretudo à profundidade que, nestes tempos de individualismo e tecnologização, não conseguimos nem ver nem tocar.

TRECHO (INCLUÍDO NA CONTRACAPA)

Ídolos? Nem pensar. Jaime admirava uns poucos artistas e intelectuais, mas nunca se debruçou sobre a obra completa de quem quer que seja. E desenvolveu um senso de privacidade radical: ele não apenas mantinha sua vida pessoal longe dos outros como também mantinha a vida pessoal dos outros bem longe da dele; e era capaz de soltar máximas como “missões aprisionam”, mas não de expressar amor (pelo menos não de uma maneira apreensível). Cresceu e se educou em ambientes pragmáticos, e, assim como seu amigo-personagem-imigrante Wander, vinha tentando fugir disso desde que se entendia por gente.